CARTOGRÁFICO 

Mapas que revelam o desenvolvimento do Arraial do Desterro.

 
IMG_6365_edited.jpg

OS ARRAIAS DO VALE DO ITAPECERICA 

Mapa de 1932 com os arraias do Vale do Itapecerica e suas localizações.

50853113_2006446076129153_35791395192758

OS TRILHOS DO DESENVOLVIMENTO

 A chegada da ferrovia fez com que várias regiões experimentasse um novo ciclo de desenvolvimento, mas que não se compara ao que Divinópolis, Oliveira e Carmo da Mata viveram.

O distrito de Desterro, que depois passou a se chamar Marilândia, experimentou um efeito contrário ao das demais localidades servidas pelos trilhos da EFOM, pois ao invés de se desenvolver, passou a entrar em declínio, perdendo população principalmente para Divinópolis e Belo Horizonte. 

Confira melhores detalhes em Facebook/historiasdodesterro

22730472_1449873768453056_30620883324789

AS VILAS E ARRAIAIS DO CENTRO-OESTE MINEIRO EM MAPAS DOS SÉCULOS XVIII E XIX

Mapa de Parte da Capitania de Minas Gerais (Autor: Wilhem Ludiwig Von Eschewege / Ano: 1821) – esse mapa, feito pelo geólogo alemão Eschewege representa uma ampliação da rede urbana do Centro-Oeste mineiro. Nele aparecem as vilas de Pitangui e Tamanduá (Itapecerica), a Paróquia de Bambuí e as capelas de Porto de São Miguel (Iguatama), Piumhi, São Julião (Arcos), Formiga, Santo Antônio do Monte, Cláudio, Desterro (Marilândia), Itapecerica (Divinópolis), Conceição do Pará, Onça (Onça de Pitangui), Dores (Dores do Indaiá), São João (Itaúna), Impanturrado (Carmo do Cajuru), Passa Tempo, Oliveira, São Francisco de Paula, São João Baptista (Morro do Ferro), Bom Sucesso, Santo Antônio do Amparo, Santana (Santana do Jacaré), Senhor Jesus da Cana Verde (Cana Verde), Campo Belo, Cristais e Candeias.

Confira melhores detalhes em Facebook/historiasdodesterro

14908276_1466892393327467_33246672430448

PROJEÇÃO DO ARRAIAL 

Nesse mapa vemos "Marilândia Moderna". O Desterro foi projetado para se desenvolver na baixada, onde, a igreja seria o ponto mais alto, que servia de orientação para viajantes e tropeiros. Com o tempo, os moradores "subiram o morro", onde encontraram uma visão panorâmica e um lugar mais arejado. Foi construído duas ruas largas dos dois lados da igreja até a praça do Cruzeiro (próximo a rodoviária), deixando espaço para depois, na segunda década do século XIX, se contruíssse a Igreja do Rosário. A partir daí, a saída para Pitangui, Tamanduá (Itapecerica) e Espírito Santo (Divinópolis), ficou sendo a partir da praça do Cruzeiro, nas costas da igreja.

Apresenta%C3%A7%C3%A3o1_edited.jpg

MAPA DA FREGUESIA DE SÃO BENTO DE TAMANDUÁ

Este  é um documento cartográfico, datado de 1701-1800, que pertence ao fundo da seção colonial no site do Arquivo Público Mineiro. É intitulado como mapa da freguesia de São Bento de Tamanduá.
Suas informações estão ilustradas e descritas a mão, e se referem as principais igrejas da redondeza da freguesia de São Bento de Tamanduá, atual cidade de  Itapecerica.
A igreja número 2 é a Igreja de Nossa Senhora do Desterro.